Janaine Machado

Janaine Machado

Formada em Letras pela PUCCAMP com Pós-Gradução em Tradução pela Estácio de Sá. Iniciou na da Inteligência de Mercado da INTL FCStone do Brasil em 2011 como Tradutora.

O que é a moratória da soja?

Avanço do cultivo de soja sobre o bioma amazônico e o compromisso do Brasil com desmatamento zero

No ano de 2006, o Greenpeace publicou um relatório que apontava para a expansão da cultura de soja na região da Amazônia como promotora de desmatamento.

O documento mostrava que, de 2003 até então, 70 mil km² de vegetação nativa haviam sido destruídos, principalmente por conta de obras de infraestrutura para viabilizar o escoamento da produção de soja na região a mercados globais.

Entre 2004 e 2005, cerca de 1,2 milhão de hectares de soja (5% do total nacional) foram plantados na floresta amazônica brasileira.

Após as acusações, sociedade civil e mercado internacional, representado pelo European Soy Customer Group (Grupo Europeu de Consumidores de Soja), pressionaram tradings para que implementassem medidas de sustentabilidade.

Com isso, em 24 de julho de 2006, a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (ABIOVE) e a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (ANEC) se comprometeram a não comercializar soja proveniente de áreas que tivessem sido desmatadas dentro da Amazônia Legal.

O pacto ficou conhecido como Moratória da Soja.

Esta matéria integra a análise completa da Inteligência de Mercado da INTL FCStone sobre as queimadas na Amazônia e sua relação com o agronegócio brasileiro. Confira!

Essa iniciativa tem como meta a conciliação entre a preservação do meio ambiente e o desenvolvimento econômico da região por meio de práticas responsáveis e sustentáveis.

Inicialmente proposta para durar dois anos, a Moratória tem sido renovada anualmente e completou 12 anos de existência na safra 2017/18.

A governança e a operação da Moratória são de responsabilidade do Grupo de Trabalho da Soja (GTS), formado por empresas associadas à ABIOVE e à ANEC, por organizações da sociedade civil, pelo Ministério do Meio Ambiente e pelo Banco do Brasil.

Em janeiro de 2018, um relatório apresentado pelo GTS mostrou que, desde que a Moratória foi estabelecida, apenas 1,2% do desmatamento na Amazônia foi decorrente do plantio da soja.

Algumas características do bioma Amazônia têm sido favoráveis ao êxito da Moratória.

O estoque de terras abertas na região antes da iniciativa é considerável e tem viabilizado a expansão contínua da soja sobre essas áreas, mostrando que é possível conciliar preservação ambiental e desenvolvimento agrícola.

Grande parte da expansão vem ocorrendo sobre pastagens, atividade que também conta com restrições ambientais e que tem buscado alternativas de intensificação para se desenvolver.

A Moratória da Soja na Amazônia continua sendo uma iniciativa internacionalmente reconhecida como relevante no combate ao desflorestamento associado à produção de soja na Amazônia e mostra como o Brasil pode ajustar práticas agrícolas e implementar uma governança que assegure critérios para a proteção do meio-ambiente.

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente

Relatórios periódicos aprofundados

Produzimos mais de 300 relatórios mensais de acompanhamento dos principais mercados globais de commodities. Veja alguns exemplos:

Para quais mercados você deseja receber notificações?*

Açúcar & EtanolAlgodãoCacauCâmbioEnergiaFertilizantesMilhoSojaTrigoPecuáriaCafé

Como ficou sabendo de nós?*

FacebookLinkedInWhatsAppIndicaçãoGoogleOutrosNewsletter

*Campos obrigatórios