Mercado de Grãos
GRÃOS & OLEAGINOSAS
ENERGIA
AÇÚCAR & ETANOL
ALGODÃO
CAFÉ
CARNES & PECUÁRIA
FERTILIZANTES
MOEDAS
CACAU
Gabriela Fontanari

Gabriela Fontanari

Graduada em Relações Internacionais pela FACAMP, está concluindo sua bidiplomação em Economia pela mesma instituição. Integra o time da Inteligência de Mercado da INTL FCStone do Brasil desde 2017 nos mercados de Fertilizantes, Algodão e Pecuária.

Furacão Harvey pode causar danos à produção texana

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

A tempestade tropical Harvey, que se formou nas últimas semanas no Golfo do México, se organizou rapidamente entre a noite de ontem e esta quinta-feira e atingiu força de furacão. De acordo com a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA), órgão de climatologia do governo americano, a tempestade deve continuar a se intensificar e atingir a costa do Texas na sexta-feira, 25, na categoria de grande furacão — fenômeno meteorológico que sustenta ventos de velocidades a partir de 178 km/h. Além dos fortes ventos, o furacão Harvey deve trazer precipitação intensa sobre faixa que vai do norte do México até o sudoeste da Louisiana e marés de tempestade para boa extensão da costa texana. A porção costeira entre Corpus Christi e Galveston no Texas deve ser a região mais atingida pelas chuvas, com precipitação prevista em torno dos 250 a 380 mm nos próximos três dias. Para regiões isoladas, entre Victoria e Refugio, há previsão de grandes volumes de pluviosidade, na casa dos 700 mm. Essa porção do estado é cortada por diversos rios e tem alta propensão a inundações devido ao relevo mais plano, o que pode resultar em danos aos algodoais que ainda não foram colhidos.

Com a colheita praticamente encerrada nos condados de Cameron e Hidalgo, no vale do Rio Grande, há riscos para os algodoais dos condados costeiros de Nueces e San Patricio até Matagorda e Fort Bend. Essas áreas, no entanto, correspondem a apenas 3,0% da produção de algodão do Texas e não devem ter impacto significativo sobre a produção do estado. A cotonicultura texana é concentrada no Extremo Norte e no Sul das Grandes Planícies, regiões que não estão na área de influência direta do furacão Harvey. As chuvas associadas à tempestade também devem ser intensas sobre o delta do Mississippi, segunda principal região produtora dos Estados Unidos. Considerando que os estados do delta ainda estão em média no início da abertura dos capulhos, com menos de 20% da safra nesse estágio, os riscos também são menores para a produtividade e para a qualidade da pluma. Caso siga a trajetória prevista até o momento, o furacão Harvey deve estagnar ao atingir a costa do Texas por volta da manhã de sábado e perder força. A expectativa é de que o fenômeno meteorológico adentre a região sul e central do estado entre a noite do sábado e a manhã do domingo, porém com a intensidade de uma tempestade tropical.

Histórico

Foram raras as ocasiões nos últimos anos em que a safra do Texas foi prejudicada por uma tempestade da categoria de grande furacão, com os últimos eventos do tipo ocorrendo entre julho e agosto de 1970 (Celia) e em agosto de 1983 (Alicia). Dos exemplos de danos aos algodoais causados por furacões, o mais recente foi registrado na temporada de 1989, quando a tempestade tropical Allison se desviou da costa texana e atingiu cerca de 175 mil hectares de soja e algodão dos estados do delta do Mississippi entre 24 e 27 de junho daquele ano.

Impactos indiretos

Apesar de o histórico e os indícios até agora apontarem para impactos limitados do furacão Harvey sobre a cotonicultura do sudoeste americano, o que deve resultar em um movimento temporário de alta para as cotações da pluma, o mesmo não se pode dizer de outra importante commodity extraída no estado, o petróleo. Grandes furacões ameaçam as operações de extração de petróleo offshore na Costa do Golfo, porém até o momento foram registradas evacuações e paradas pontuais de plataformas, com grande parte dos operadores mantendo suas atividades normais. De acordo com o Departamento de Fiscalização Ambiental e de Segurança (BSEE), órgão do governo americano encarregado de melhorar a relação entre a indústria offshore de energia e o meio ambiente, menos de 10% da produção de petróleo e menos de 1% da produção de gás natural na Costa do Golfo haviam sido interrompidas pelo furacão Harvey.

Os ventos fortes e a possibilidade de alagamentos com a chegada da tempestade sobre o litoral americano podem interromper parte da produção de aproximadamente 5 milhões de barris/dia — capacidade instalada estimada das refinarias localizadas ao longo da costa texana —, o que constitui aproximadamente metade da capacidade de produção da região do PADD 3 (Texas, Louisiana, Arkansas, Alabama, Mississippi e Novo México). Caso esses impactos sejam confirmados, é esperado que as cotações do WTI obtenham algum suporte. Preços mais altos do petróleo tendem a contribuir para as altas de outras commodities, e em especial do algodão, visto que o hidrocarboneto é matéria-prima das fibras sintéticas que competem com a pluma.

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente
Carrinho Item removido. Desfazer
  • Sem produtos no carrinho.