Moagem de cana no Centro-Sul deve atingir menor volume desde 2014/15

O ciclo 2018/19 brasileiro de moagem de cana deve totalizar de 590,7 milhões de toneladas, 1% abaixo do previsto para o ciclo que se encerra (2017/18) e o menor volume desde a safra 2014/15, quando uma forte seca prejudicou os canaviais paulistas.

É o que mostra a revisão da estimativa de safra da consultoria INTL FCStone. “A elevação na idade dos canaviais e a falta de rigor com os tratos culturais em grande parte das plantações continuam sendo os principais fatores de alerta para o setor”, avalia o Analista de Mercado do grupo, João Paulo Botelho. Segundo Botelho, esses indicadores superam fatores que influenciaram positivamente a safra, como o ligeiro aumento da área disponível para colheita e a disponibilidade hídrica.

Além da safra mais enxuta, o grupo espera uma queda da concentração de açúcares na cana, resultando em Açúcar Total Recuperável (ATR) médio em 135,0 Kg/t, o que também representa uma queda de 1% na comparação com 2017/18, e ATR total 2% menor em relação à safra que se encerra.

Em relação ao mix produtivo, a INTL FCStone espera um direcionamento maior para o etanol, que nesta revisão representou aumento de 5 pontos percentuais em relação à safra passada, em 58,5%.
Destaca-se que a maior parte do aumento no mix do etanol será direcionado para o hidratado, levando a produção da variedade a crescer 10,2%, para 17,2 bilhões de litros. “O principal motivo para este movimento é a alta competitividade esperada em relação à gasolina C, que deve impulsionar a demanda e ser retroalimentada pela elevada produção”, explica João Paulo Botelho, em relatório. A produção de anidro deve atingir 11 bilhões de litros, um aumento de 5,5%. Desta forma, apenas 41,5% da cana-de-açúcar deve ser destinada à produção de açúcar, estimada pela INTL FCStone em 31,5 milhões de toneladas, 12,5% abaixo de 2017/18.

Estimativa de safra de cana-de-açúcar no Centro-Sul (abril-março)*Estimativas. Fontes: UNICA e INTL FCStone.

Etanol de milho

A participação do etanol de milho na produção da safra 2018/19 deve subir de 2% para 3,1%, em 883,3 milhões de litros, de acordo com a INTL FCStone. Este volume representa um crescimento de 66,3% na comparação com o projetado pelo grupo em 2017/18.

Com o preço sustentado do etanol hidratado e cotações do milho abaixo do registrado no ano passado, o diferencial entre o produto e o insumo neste começo de 2018 está em torno de R$0,30/L superior ao mesmo período de 2017 em Mato Grosso e Goiás.

Além disso, a maturação de investimentos realizados nos últimos anos deve levar a novo incremento na capacidade produtiva de etanol de milho no Centro-Oeste brasileiro. Os fatores ganham ainda mais peso junto à expectativa de forte demanda por etanol hidratado e aos preços do milho ainda abaixo do ano passado nas principais áreas produtoras.

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente

Relatórios periódicos aprofundados

Produzimos mais de 300 relatórios mensais de acompanhamento dos principais mercados globais de commodities. Veja alguns exemplos:

Para quais mercados você deseja receber notificações?*

Açúcar & EtanolAlgodãoCacauCâmbioEnergiaFertilizantesMilhoSojaTrigoPecuáriaCafé

Como ficou sabendo de nós?*

FacebookLinkedInWhatsAppIndicaçãoGoogleOutrosNewsletter

*Campos obrigatórios