Demanda mais fraca na Índia e no Brasil diminui déficit de açúcar na safra 2016/17

Com revisão da estimativa para a demanda global de açúcar – passando de 184,9 milhões de toneladas (projetados em fevereiro de 2017) para 183,6 milhões de toneladas – o déficit mundial deve ser menos expressivo, em 8,1 milhões de toneladas. Os números são da INTL FCStone que, em fevereiro, havia estimado o saldo negativo em 8,5 milhões de toneladas.

Os principais consumidores responsáveis pelo recuo na procura pelo adoçante foram Índia e Brasil, embora por motivos muito distintos. No caso da Índia, a quebra das últimas duas safras de cana-de-açúcar devido à escassez de chuvas nos principais estados produtores, culminou no aumento expressivo dos preços domésticos do adoçante. Além disso, a desmonetização implementada pelo governo indiano no final de 2016 reduziu drasticamente a disponibilidade de papel moeda e, mesmo que temporariamente, o poder de compra da população, o que acabou contribuindo para a redução nas compras de açúcar.#2 - 2016-17 saldo global

Para o Brasil, a recessão econômica profunda nos últimos dois anos, com decrescimento do PIB de 3,8% em 2015 e de 3,6% em 2016, teve grande impacto na atividade de todos os setores da economia e, consequentemente, no consumo de bens e serviços.

“Em comportamento semelhante às demais commodities, a procura por açúcar também apresentou retração, impactando significativamente a demanda global, o que é potencializado devido ao elevado consumo per capita deste produto no Brasil”, explica o analista de mercado da INTL FCStone, João Paulo Botelho.

Já pelo lado da oferta, cabe destacar que o grupo teve suas projeções ajustadas para a Tailândia, os Estados Unidos, México e Brasil. Para a Tailândia, a INTL FCStone aumentou em 6,1% sua estimativa de produção em relação à publicação anterior devido à produtividade agrícola melhor do que a esperada. Já para os dois países da América do Norte, a produção projetada foi reduzida em 4,3%, no caso dos EUA, e em 1,8%, para o México, devido à taxa de recuperação de açúcar abaixo das expectativas nos dois vizinhos.

Já nas regiões Norte e Nordeste do Brasil, o volume produzido foi reduzido para pouco mais de 3,1 milhões de toneladas, tel quel, recuo de 2,3% em comparação à última projeção. A retração deve-se principalmente à escassez de chuvas ao longo do ciclo, condição desfavorável para a produtividade dos canaviais.

Fonte: Assessoria de Imprensa INTL FCStone / Carolina.Barboza@intlfcstone.com

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente

Relatórios periódicos aprofundados

Produzimos mais de 300 relatórios mensais de acompanhamento dos principais mercados globais de commodities. Veja alguns exemplos:

Para quais mercados você deseja receber notificações?*

Açúcar & EtanolAlgodãoCacauCâmbioEnergiaFertilizantesMilhoSojaTrigoPecuáriaCafé

Como ficou sabendo de nós?*

FacebookLinkedInWhatsAppIndicaçãoGoogleOutrosNewsletter

*Campos obrigatórios