2017/18: INTL FCStone divulga novas perspectivas para mix e ATR

De acordo com a revisão da INTL FCStone, em 2017/18 o Centro-Sul deve processar 3,8% menos cana-de-açúcar no comparativo com o ciclo 2016/17, o que representa 583,8 milhões de toneladas. Em relação à última projeção do grupo, realizada em setembro, a queda é de apenas 552 mil toneladas.

“Somente em outubro, cerca de 147 mm precipitaram sobre o cinturão canavieiro, volume 40% maior que a média dos últimos dez anos para o mês. Entretanto, o clima mais úmido não deve ter grande influência sobre os números da safra atual, sendo que esta foi fortemente influenciada pelo período mais seco compreendido entre junho e agosto”, explica o analista de mercado, João Paulo Botelho, em relatório.

Nesse período, um total de 66,7 mm precipitaram sobre as lavouras canavieiras do Centro-Sul. Comparativamente, em 2016 e 2015, os respectivos volumes precipitados foram de 141,4 e 105,8 mm nestas regiões produtoras.

Em contrapartida, o clima mais seco favoreceu o teor médio de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) na cana-de-açúcar. “Com menos água disponível, esses açúcares se acumulam mais intensamente nos colmos”, analisa Botelho. A INTL FCStone aumentou em 0,9% o valor para esta variável em relação à última projeção, para 136,1 kg/t. Comparando safra-a-safra, a estimativa atual é 2,3% maior que o consolidado para o ano anterior.

Em relação ao mix produtivo, a INTL FCStone considera que a relação ficará ainda menos açucareira do que na última revisão, pelo incentivo à produção do biocombustível – mais rentável que o açúcar e recentemente mais consumido por apresentar preços mais atrativos em relação à gasolina.

Com isso, a INTL FCStone reduziu em 0,7 ponto percentual o valor da participação do açúcar no mix produtivo do Centro-Sul brasileiro, para 46,6%, consequentemente reduzindo a produção do adoçante para 35,3 milhões de toneladas, 1% menor que as 35,6 milhões de toneladas produzidas em 2016/17.

Já a previsão para a produção de etanol hidratado aumentou em 4,8% em relação à última revisão, para 14,2 milhões de m³. Ainda assim, essa produção deve ficar 5,6% abaixo da safra 2016/17, quando foram produzidos 15 milhões de m³. A produção de etanol anidro, por sua vez, manteve-se relativamente estável e, na comparação entre as estimativas, houve uma redução de 0,9%.

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente

Relatórios periódicos aprofundados

Produzimos mais de 300 relatórios mensais de acompanhamento dos principais mercados globais de commodities. Veja alguns exemplos:

Para quais mercados você deseja receber notificações?*

Açúcar & EtanolAlgodãoCacauCâmbioEnergiaFertilizantesMilhoSojaTrigoPecuáriaCafé

Como ficou sabendo de nós?*

FacebookLinkedInWhatsAppIndicaçãoGoogleOutrosNewsletter

*Campos obrigatórios