Ana Luiza Lodi

Ana Luiza Lodi

Formada em Ciências Econômicas pela UNICAMP com Mestrado em Teoria Econômica pela mesma universidade. Trabalha desde 2012 na Inteligência de Mercado da StoneX do Brasil, com foco na área de grãos.
Este texto teve a colaboração de Luigi Bezzon.

Produção de biodiesel avança 9% em 2020, mesmo com pandemia e reduções temporárias da mistura obrigatória

Participação do óleo de soja cresce em relação a 2019

Em 2020, o Brasil produziu o volume recorde de 6,43 milhões de m³ de biodiesel, 9% acima do registrado em 2019, mesmo em um ano marcado por incertezas, devido à pandemia do coronavírus.

Produção anual de biodiesel (mil m³)

Fontes: ANP e Abiove. Elaboração: StoneX.

Em março de 2020, a mistura obrigatória de biodiesel no diesel subiu para 12%. Contudo, entre março e abril, veio o primeiro impacto significativo da pandemia de Covid-19, com adoção de medidas restritivas ao redor do mundo, incluindo o Brasil. Com isso os combustíveis foram fortemente afetados, num contexto em que as pessoas estavam ficando em casa, evitando viagens e movimentações, em geral.

O mercado de biodiesel nacional viu as estimativas para o avanço em 2020 serem revisadas para baixo, chegando, inclusive, a perspectivas de que a produção poderia se manter estável frente a 2019, a despeito do aumento da mistura em mais 1 p.p. Passado esse impacto inicial, o setor de combustíveis começou a reagir, mostrando um desempenho acima do que se esperava anteriormente, o que também afetou as perspectivas para a produção do biodiesel, mas, nesse caso, pelo lado positivo.

Além disso, é importante destacar a redução da mistura obrigatória em setembro e outubro, para 10%, e em novembro e dezembro, para 11%, em meio à oferta restrita de soja, impactando a disponibilidade dos subprodutos e levando os preços a níveis nominais recordes. Medidas como a liberação do uso de matéria-prima importada também foram adotadas pelo governo.

De acordo com os dados oficiais da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o óleo de soja teve participação média de 71,2% entre as matérias primas utilizadas para a produção de biodiesel em 2020. Em segundo lugar, ficou o segmento de Outros Materiais Graxos, com 11,34%, e, em terceiro, a gordura bovina, respondendo por 9%, em média.

Matérias-primas na produção de biodiesel em 2020 (%)

Fonte: ANP. Elaboração: StoneX.

Dessa forma, destaca-se que o uso de óleo de soja registrou um incremento de participação, contra 68% em 2019, ressaltando que a categoria Outros Materiais Graxos também tem em sua composição o óleo de soja, pois são matérias primas tradicionais reprocessadas. Apesar de a ANP não discriminar o que está incluído nesta categoria, o óleo de soja, por responder pela maior parte das matérias-primas em geral, também tende a ter uma participação grande. Dessa forma, a participação do óleo de soja pode chegar perto de 80% do total, levando-se em conta os Outros Materiais Graxos na classificação da ANP.

Partindo-se dos percentuais de participação exclusivamente da categoria óleo de soja, estima-se que o esmagamento de soja somente para a produção de biodiesel em 2020 alcançou 22,1 milhões de toneladas. Contudo ao se considerar que o uso de óleo de soja é maior, por causa do que entra no segmento de Outros Materiais Graxos, a necessidade de soja ficaria em 24,9 milhões de toneladas.

Dessa forma, considerando um esmagamento estimado de soja em 2020 de 44,5 milhões de toneladas, o processamento para biodiesel ficou levemente abaixo de 50% do total, considerando que 71,2% da matéria-prima foi o óleo de soja, mas alcançaria 55,8%, ao se assumir que a maior parte da categoria Outros Materiais Graxos é formada por óleo de soja, com cerca de 80% do biodiesel vindo dessa matéria prima, não considerando aqui o uso de óleo de soja importado.

Para 2021, a mistura obrigatória vai subir para 13% em março, situação que reforça ainda mais o uso do óleo de soja para biodiesel, uma vez que essa matéria-prima deve continuar dominante na matriz do biocombustível no Brasil.

Esmagamento anual de soja (milhões de toneladas)

Fontes: Abiove e StoneX. Elaboração: StoneX. *Estimado.

 

Este artigo é um exemplo dos conteúdos disponíveis para assinantes no Portal de Relatórios.

Conheça a plataforma!

Relatórios de Mercado

Mensalmente, os especialistas da StoneX produzem mais de 600 informativos sobre as principais commodities mundiais. Conheça os boletins para acompanhamento dos mercados de Grãos (soja, milho e trigo), FertilizantesAçúcar e Etanol, Algodão, Pecuária, Café, Energia, Óleos Vegetais e Câmbio.

    Quais são seus mercados de interesse?

    Açúcar & EtanolAlgodãoCâmbioEnergiaFertilizantesMilhoSojaTrigoPecuáriaCaféÓleos Vegetais

    Como soube dos boletins de mercado da StoneX?

    FacebookLinkedInInstagramWhatsAppGoogleIndicaçãoOutrosEventosE-mail