Produção de açúcar no Centro-Sul deve atingir menor patamar desde 2007/08

Clima impacta atividades de colheita e mix açucareiro, que deve registrar o menor nível em vinte anos

A paralização das atividades de colheita da cana-de-açúcar no Centro-Sul devido às chuvas tem reforçado as expectativas de uma moagem total tímida para a safra 2018/19. A INTL FCStone manteve sua projeção de moagem em 567,0 milhões de toneladas, 4,9% abaixo do mesmo período na safra passada e menor nível de moagem do Centro-Sul desde a safra 2012/13.

+ Leia também: Produção indiana de açúcar deve decepcionar e contribuir para redução de superávit global

Dados compilados pelo grupo mostram que a precipitação média no cinturão canavieiro do Centro-Sul durante o mês de setembro e a primeira quinzena de outubro ficou 172% acima do ano passada e foi 71% maior que a média dos últimos 10 anos. Por outro lado, dados da própria União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) mostram que apenas 15 usinas já haviam encerrado suas atividades de colheita até a primeira metade de outubro, 3 a menos do que no mesmo período no ano passado.

“Desta forma, podemos dizer que as expectativas de uma ‘morte súbita’ da safra ficaram para trás, sendo que o clima chuvoso deve obrigar várias empresas a estenderem a moagem da safra por mais tempo do que era previamente esperado”, avalia o especialista de mercado da INTL FCStone, João Paulo Botelho. Por outro lado, as pancadas de chuva vieram tarde demais para recuperar a saúde dos canaviais, levando a INTL FCStone a manter sua estimativa de Toneladas de Cana por Hectare (TCH) para a safra em 71,9 t/ha, 5,4% abaixo da safra 2017/18.

O Açúcar Total Recuperável (ATR) médio, que normalmente apresenta queda de 2% entre a primeira quinzena de setembro e a primeira de outubro, caiu 9% no mesmo período este ano. Segundo análise do grupo, como as chuvas fortes persistiram no final de outubro e começo de novembro, é provável que este padrão se mantenha. Com isso, a INTL FCStone reduziu sua estimativa para o total da safra em 0,4%, para 139,0 kg/ton, nível ainda 1,7% superior à safra anterior.

Em relação ao destino da cana, a consultoria espera que apenas 35,1% da cana moída será destinada à produção de açúcar, a menor proporção em mais de vinte anos, caindo em 26,9% na comparação com a safra passada, para 26,3 milhões de toneladas, o menor nível em onze anos.

“Com ATR menor e mais paradas nas operações graças ao clima chuvoso dos últimos meses, ficou mais fácil para as usinas destinarem uma proporção ainda maior da matéria-prima para a produção de etanol. Como a maioria das empresas tem buscado exatamente isso, com o objetivo de aproveitar os melhores preços oferecidos pelo biocombustível em relação ao açúcar, o mix alcooleiro acabou superando nossas estimativas”, explica João Paulo Botelho.

Considerando a conjuntura do consumo de combustíveis no Brasil, a projeção de produção de etanol hidratado de cana da INTL FCStone registrou 20,9 bilhões de litros, 37,3% abaixo da safra passada, e a de anidro de cana para 9,2 bilhões de litros, 11,1% abaixo do ano passado. Com isso, a produção total de etanol no Centro-Sul, incluindo a partir do milho, deve alcançar 30,1 bilhões de litros em 2018/19, 17,7% acima da temporada anterior e o maior volume da história.

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente

Relatórios periódicos aprofundados

Produzimos mais de 300 relatórios mensais de acompanhamento dos principais mercados globais de commodities. Veja alguns exemplos:

Para quais mercados você deseja receber notificações?*

Açúcar & EtanolAlgodãoCacauCâmbioEnergiaFertilizantesMilhoSojaTrigoPecuáriaCafé

Como ficou sabendo de nós?*

FacebookLinkedInWhatsAppIndicaçãoGoogleOutrosNewsletter

*Campos obrigatórios