Cana mantém perspectiva de queda de produção na safra 2019/20

Redução na área e idade avançada dos canaviais deve manter moagem pressionada

A safra 2019/20 de cana-de-açúcar no Centro-Sul inicia pressionada, com perspectiva de redução na área disponível para colheita em 0,8%, para 9,03 milhões de hectares, além da idade avançada dos canaviais. Estes fatores devem mais do que compensar a perspectiva de aumento da produtividade agrícola em relação a 2018/19 (em 0,4%, para 72,1 toneladas por hectare), decorrente da expectativa de clima menos adverso ao crescimento da cana que será colhida em 2019.

+ Leia também: Produção de açúcar no Centro-Sul deve atingir menor patamar desde 2007/08

A estimativa é da consultoria INTL FCStone, que nesta quarta-feira divulga oficialmente sua expectativa de redução na moagem para 564,7 milhões de toneladas, 0,4% abaixo da safra atual. “Ao longo da safra 2018/19, segundo dados da Canasat, a área reservada para renovação no Centro-Sul ficou 2,1% abaixo do ano anterior e não foi suficiente para manter a idade média dos canaviais que, segundo nossas estimativas, avançou para 3,8 anos”, explica o especialista de mercado da INTL FCStone, João Paulo Botelho. Além disso, a baixa atratividade da cultura canavieira tem levado produtores a optarem pelo plantio de soja nas áreas de reforma, o que muitas vezes leva ao alongamento do ciclo de renovação. Em alguns casos isolados também houve troca de culturas para a oleaginosa.

Apesar de uma possível trégua no clima seco, o Açúcar Total Recuperável (ATR) médio não deve se beneficiar tanto quanto no ano que se encerra. A INTL FCStone projeta redução em 1,3% na concentração de açúcares, para 137,1 kg/ton. O ATR total, por sua vez, cairia em 1,7%.

Com menor disponibilidade de matéria-prima, a destinação da mesma será essencial para o impacto da próxima safra sobre os mercados de açúcar e de etanol. Ainda segundo visão do grupo, as usinas devem destinar 39,7% da matéria-prima para a produção de açúcar. “Este patamar é 4,6 pontos percentuais maior do projetamos para 2018/19, mas ainda assim é menor do que todas as demais safras desde 2008/09. Desta forma, a produção de açúcar do Centro-Sul avançaria 11,2%, para 29,3 milhões de toneladas”, avalia João Paulo.

O mercado de açúcar deve começar a precificar seus impactos sobre os futuros do adoçante ainda no primeiro semestre de 2019, com tempo mais do que suficiente para afetar o mix da safra 2019/20 no Centro-Sul.

Quanto à produção de etanol, projeta-se uma redução em 16,7% na produção de hidratado a partir da cana-de-açúcar, para 17,4 bilhões de litros, enquanto a produção de anidro de cana deve crescer 8,9%, para 10,0 bilhões de litros. Já o etanol de milho deve apresentar aumento de 30,5% no volume produzido, para 1,2 bilhões de litros, em grande parte devido à expectativa de que duas novas usinas entrem em operação em 2019. Ainda assim, espera-se que a produção total de etanol do Centro-Sul caia 7,8%, para 28,6 bilhões de litros.

“Além do menor volume de matéria-prima disponível, também levamos em consideração a expectativa de recuperação no consumo de combustíveis do ciclo Otto conforme a economia brasileira volte a crescer, após vários anos de recessão e estagnação”, resume João Paulo Botelho, da INTL FCStone.

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente

Relatórios periódicos aprofundados

Produzimos mais de 300 relatórios mensais de acompanhamento dos principais mercados globais de commodities. Veja alguns exemplos:

Para quais mercados você deseja receber notificações?*

Açúcar & EtanolAlgodãoCacauCâmbioEnergiaFertilizantesMilhoSojaTrigoPecuáriaCafé

Como ficou sabendo de nós?*

FacebookLinkedInWhatsAppIndicaçãoGoogleOutrosNewsletter

*Campos obrigatórios