Carolina Barboza

Carolina Barboza

Formada em Jornalismo pela PUC-Campinas. Trabalha desde 2014 na Assessoria de Imprensa da INTL FCStone do Brasil, com foco na área de comunicação e marketing.

Afetada pela guerra comercial, Gavilon compensa com vendas no mercado doméstico

Apesar do impacto sobre o setor agrícola norte-americano, empresas e produtores demonstram apoio ao Trump

 

Na quarta-feira (28), após o almoço, o grupo da X Viagem Comercial da INTL FCStone aos EUA visitou o terminal da Gavilon no Rio Mississipi, em Dubuque, Iowa. Por esse terminal são embarcados grãos e outros produtos, em direção ao Porto de Nova Orleans, no Golfo (NOLA), por meio de barcaças. Uma curiosidade é que, além de o Rio Mississipi separar Iowa de Illinois, a cidade de Dubuque também faz fronteira com Wisconsin.

+Leia também: EUA: com safra boa em Iowa, não é esperado impulso nos preços do óleo

Em relação à guerra comercial, as pessoas com a INTL FCStone conversou se mostraram em linha com a opinião dominante ao longo da viagem, com apoio ao presidente Trump, apesar dos prejuízos causados ao setor agrícola norte-americano. A própria Gavilon sentiu os impactos nas exportações e tem compensado com o aumento das vendas para o mercado interno, com destaque para o milho.
Destaca-se que os grãos e os fertilizantes movimentados são da própria Gavilon, que compra os produtos e revende, fazendo o hedge em Chicago. A empresa também atua somente como intermediária, de aço e sal, por exemplo. As barcaças utilizadas são de terceiros, com a Gavilon não sendo dona de nenhuma das embarcações.

 

A viagem entre Dubuque e Nova Orleans pelo rio demora em torno de 3 semanas e o custo atual do frete para a soja é de 80 cents por bushel e de 71 cents para o milho, em comparação com cerca de US$ 1,00 por bushel para a mesma rota por trem. O giro dos produtos é muito rápido, com a capacidade de armazenagem sendo pequena no terminal. A logística privilegiada também para se chegar ao terminal garante uma grande procura pelos serviços oferecidos. Destaca-se que as barcaças sobem o Rio Mississipi, em geral, com outras cargas, garantindo um frete retorno.
Quanto aos números do USDA, a maior dúvida continuaria sendo a área plantada, que ainda pode passar por revisões consideráveis. Já em relação à produtividade, as fontes questionadas durante a visita indicaram que o número do USDA não estaria muito fora.

O grupo que viaja junto à INTL FCStone conheceu, também, uma eclusa do Rio Mississipi, que fica em uma barragem localizada próxima do terminal da Gavilon. O rio conta com mais de 20 barragens ao longo de seu curso, que são utilizadas para controlar o nível de água. Com isso, as barcaças precisam cruzar esses pontos por meio de eclusas. O grupo visitou a estrutura de número onze, que pertence ao governo e é de responsabilidade do Corpo de Engenheiros do Exército.

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente

Relatórios periódicos aprofundados

Produzimos mais de 300 relatórios mensais de acompanhamento dos principais mercados globais de commodities. Veja alguns exemplos:

Para quais mercados você deseja receber notificações?*

Açúcar & EtanolAlgodãoCacauCâmbioEnergiaFertilizantesMilhoSojaTrigoPecuáriaCafé

Como ficou sabendo de nós?*

FacebookLinkedInWhatsAppIndicaçãoGoogleOutrosNewsletter

*Campos obrigatórios