Possíveis problemas com a safra sul-americana pode mudar rota dos preços

As condições do balanço de oferta e demanda global de soja se mantêm mais confortáveis, deixando um espaço limitado para aumentos consideráveis dos preços. Entretanto, num mercado de demanda aquecida e de oferta concentrada em poucos países, qualquer problema com a safra sul-americana nos próximos meses pode mudar a situação, oferecendo fundamentos para níveis de preços mais elevados.

“Com a proximidade do final do ano, as atenções do mercado de soja começam a se voltar para o Brasil e a Argentina, uma vez que estes dois países irão concentrar a semeadura de suas respectivas safras da oleaginosa nos últimos meses deste ano”, afirma a consultoria INTL FCStone, em relatório.

No caso brasileiro, a ausência de precipitações no centro sul do país até o final de setembro trouxe preocupações para os sojicultores em regiões importantes, como Mato Grosso e Paraná, visto que a umidade regular do solo durante o início do plantio é fundamental para o desenvolvimento das sementes, além de diminuir as chances de perda das áreas semeadas.

“Algumas localidades estão com atraso no plantio neste período inicial, contudo, ainda sem maiores perdas”, alerta a INTL FCStone. Mesmo com esta condição, as previsões apontam uma normalização do regime de chuvas em outubro, o que permitirá o progresso da semeadura nessas regiões, além do plantio em outros estados, ressaltando que as estimativas a produção brasileira estão além das 100 milhões de toneladas, novamente.

Já no caso argentino, há alguma preocupação de que o excesso de umidade no solo, devido ao grande volume de chuvas recente, possa vir a atrasar o plantio local. Este risco climático se dá em um cenário em que já se espera um ciclo com área menor em relação à da safra 2016/17, sendo que a permanência do imposto de exportação para a oleaginosa na Argentina continua deixando os produtores do país menos animados com a cultura.

Destaca-se, também, a apreensão em relação à possibilidade de ocorrência do efeito climático La Niña no final do ano, dado que este tende a deixar o clima mais seco na região sul do Brasil e na Argentina durante a fase de desenvolvimento das plantações. Apesar disso, os modelos matemáticos atualmente apontam que, caso venha a ocorrer o La Niña, este deve ser classificado como de baixa intensidade.

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente

Relatórios periódicos aprofundados

Produzimos mais de 300 relatórios mensais de acompanhamento dos principais mercados globais de commodities. Veja alguns exemplos:

Para quais mercados você deseja receber notificações?*

Açúcar & EtanolAlgodãoCacauCâmbioEnergiaFertilizantesMilhoSojaTrigoPecuáriaCafé

Como ficou sabendo de nós?*

FacebookLinkedInWhatsAppIndicaçãoGoogleOutrosNewsletter

*Campos obrigatórios