Com seca e temperatura elevada, Maranhão deve colher menos soja

Calor e seca se combinaram para reduzir a qualidade das sementes de soja. Em visita e conversa com a Agrex, estima-se que os rendimentos médios de Balsas, no Maranhão, ficarão em torno de 25-30 sacas/ ha de oleaginosa, contra 42-45 sacas/ ha no ciclo passado.

Destaca-se que a região possui muitas áreas novas, e por isso raramente ultrapassa rendimentos de 50 sacas/ ha. O produtor Elder Paulo Cremonesi, que planta 2450 hectares de soja e 1200 hectares de milho verão, espera colher 35 sacas/ ha com a ajuda das chuvas (contra 57 sacas/ ha nos anos anteriores).

De acordo com a opinião de Cremonesi, a safra já estava condenada no momento do plantio, com sementes ruins, calor e seca. “Essas condições levaram à falta de uniformidade na plantação, com plantas geminando em momentos diferentes e algumas florescendo ainda muito pequenas. Com isso, vimos colheita de soja parcialmente verde, o que pode estar aumentando a umidade média dos grãos”, explica o analista de mercado da INTL FCStone, João Paulo Botelho, a campo.

Na maioria das vezes, o El Niño é favorável à região, por permitir maior luminosidade. Mas este ano o efeito climático foi exagerado, levando à quebra. O impacto foi muito irregular, com algumas áreas (como Gerais de Balsas) registrando boas produtividades.

Montagem safra - post 1 - Maranhão

Outro produtor de Balsas, que geralmente colhe 55 sacas/ ha, acredita que o calor tenha sido mais prejudicial do que a seca, e esta deve ser a pior quebra em 20 anos na região. Um fator desfavorável também foi o armazenamento (durante mais de dois meses) de sementes compradas para plantio em novembro.
Em uma área de 2300 hectares deste produtor, choveu 479mm (praticamente tudo em janeiro). O plantio ocorreu em dezembro, com volume de apenas 29mm durante o mês, o que acabou fazendo com que metade da área mudasse para o milho. Já em outra lavoura (do mesmo produtor), correspondente a 2400 hectares, faltou um pouco de precipitações durante o enchimento do grão. Estima-se que, nas duas propriedades, devem ser colhidas 36 sacas/ ha de soja.

IMG_5338

O Terminal de Grãos do Maranhão (TEGRAM) aumentou o mercado potencial de milho, fato que incentivou mais produtores a optar pelo cereal depois de perder a janela da soja. A maior parte da oleaginosa é escoada pelo Porto Seco de Porto Franco ou é transportada de caminhão para o TEGRAM.

Com relação aos custos de produção, nota-se que as despesas em reais subiram, com o aumento estando relacionado ao diesel, frete de fertilizantes e sementes mais tecnificadas. As intempéries ocorridas durante o ciclo atual ocuparam os produtores, atrasando a aquisição de sementes e adubos para a próxima safra.

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente

Relatórios periódicos aprofundados

Produzimos mais de 300 relatórios mensais de acompanhamento dos principais mercados globais de commodities. Veja alguns exemplos:

Para quais mercados você deseja receber notificações?*

Açúcar & EtanolAlgodãoCacauCâmbioEnergiaFertilizantesMilhoSojaTrigoPecuáriaCafé

Como ficou sabendo de nós?*

FacebookLinkedInWhatsAppIndicaçãoGoogleOutrosNewsletter

*Campos obrigatórios