Fábio Rezende

Fábio Rezende

Possui graduação em Ciências Econômicas e especialização em Finanças Corporativas pela UNICAMP. Trabalha na divisão de Inteligência de Mercado da INTL FCStone do Brasil desde 2014.

Importações de fertilizantes intermediários avançam 20,1% em 2017

Brasil importou cerca de 28,6 milhões de toneladas de fertilizantes intermediários em 2017

Segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), volume totalizou cerca de US$ 7,33 bilhões. A tonelagem importada de fertilizantes no ano passado superou em 20,1% o total de 2016, enquanto o valor total das internalizações cresceu 22,1% no período.

Nota-se que, nos sete anos analisados (2011-2017), as importações de adubos cresceram em um ritmo médio anual de 4,7%, considerando que 20,71 milhões de toneladas adentraram o país em 2011. Todavia, o valor das importações seguiu em tendência oposta, recuando a uma taxa média de 3,1% ao ano – mesmo com um aumento entre 2016 e 2017 – por conta da queda dos preços dos adubos no mercado internacional no período.

Como de costume, o cloreto de potássio (KCl) foi o fertilizante mais importado em 2017, com um volume de 9,67 mi t, avanço de 11,0% na comparação com 2016. Esse produto é o mais consumido no Brasil por conta da elevada demanda de K por algumas das culturas mais comuns no país, como a soja e a cana-de- açúcar, e por não existir outro fertilizante potássico amplamente utilizado. A reduzida capacidade de produção doméstica de apenas 655 mil t também aumenta a necessidade de aquisição do KCl no comércio externo.

A ureia figurou como o segundo adubo intermediário mais importado no ano passado. Cerca de 5,42 mi t do produto foram adquiridos no acumulado de 2017, o que representou um aumento de 37,1% em relação às 3,96 mi t internalizadas em 2016. O forte aumento das compras externas de ureia ocorreu por conta do maior investimento na safrinha de milho de 2017 e cortes de produção nas unidades da Petrobrás, que reduziram em mais de 40% a produção doméstica. A tonelagem importada de fosfato monoamônico (MAP) em 2017 avançou 33,9% na comparação ano-a- ano, para 3,63 mi t. Outros fertilizantes que contêm nitrogênio e fósforo (que inclui o NP 11-44) também tiveram um acréscimo significativo nas importações do último ano em relação a 2016, de 34,8%, para 2,27 milhões de toneladas.

O aumento das compras externas de fosfatados esteve relacionado com o maior investimento na safrinha de milho e na safra de verão de soja. As compras externas de formulados NPK também apresentaram um avanço significativo, de 27,9% na comparação anual, para 1,12 milhões de toneladas.

De forma geral, os fosfatados e potássicos tiveram seu pico de importação entre maio e julho, já que estes são majoritariamente destinados ao cultivo da soja. Os nitrogenados, por sua vez, observaram dois picos de internalização: no início e no final de 2017, período que atende a demanda dos produtores de milho safrinha e café.

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente

Relatórios periódicos aprofundados

Produzimos mais de 300 relatórios mensais de acompanhamento dos principais mercados globais de commodities. Veja alguns exemplos:

Para quais mercados você deseja receber notificações?*

Açúcar & EtanolAlgodãoCacauCâmbioEnergiaFertilizantesMilhoSojaTrigoPecuáriaCafé

Como ficou sabendo de nós?*

FacebookLinkedInWhatsAppIndicaçãoGoogleOutrosNewsletter

*Campos obrigatórios