Suspensão das compras chinesas: Se concretizada, qual será o impacto para o setor de proteína animal?

O cenário continua otimista para as exportações nacionais de carnes

O surto de coronavírus permanece causando temor no cenário internacional e com consequências ainda incertas para grande parte das commodities agrícolas, que esperam por atualizações sobre o quadro de evolução do vírus e de seus impactos na economia mundial para melhor balizar o direcionamento do mercado.

Até a primeira semana de fevereiro, mais de 28 mil casos já foram confirmados, número bem acima ao registrado pela Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), que incidiu sobre o país asiático entre 2002 e 2003 e que apresenta um material genético 80% similar ao do coronavírus.

Ainda que a tensão no mercado externo continue imperando, o movimento tem sido de maior cautela, acompanhando as notícias recentes sobre o seu baixo risco de fatalidade, na ordem de 2%. Grande parte deste sentimento também veio de uma visão mais aprofundada sobre o desenvolvimento da economia chinesa. Ao longo da história, o PIB per capta chinês seguiu um movimento favorável, mesmo diante de surtos, pestes e conflitos, tais como o recente embate comercial com os EUA.

Figura 1. Exportações brasileiras de carne bovina para a China (mil toneladas)

Fonte: ComexStat. Elaboração: INTL FCStone.

Por mais que a evolução do vírus e a sua chegada em demais polos consumidores de commodities agrícolas preocupe o mercado, o movimento de tensão para o longo prazo tem perdido força, sendo avaliado mais como uma questão pontual.

Com isso, na China, nação que detém 99% da contaminação do vírus, o grande problema tem sido ao redor das dúvidas com relação ao tempo de controle do vírus e à rede de logística do país. As políticas públicas do gigante asiático continuam sendo de contenção do trânsito populacional e de mercadorias, o que tem retraído o comércio e causado danos aos diversos setores de sua economia.

Para o setor de proteína animal, os impactos e medidas de controle para a contenção do vírus levaram à dificuldade no abastecimento de granjas, o que tem dizimado o rebanho de aves chinês em função da falta de formulados de rações no mercado. A China, que ainda sofre com os impactos da Peste Suína Africana (PSA) de 2019, e com a consecutiva redução de cerca de 50% de seu rebanho suíno efetivo, agora, tem enfrentado novos desafios para sustentar sua produção de carnes.

Figura 2. Exportações brasileiras de carne suína para a China  (mil toneladas)

Fonte: ComexStat. Elaboração: INTL FCStone.

Sendo assim, para conturbar ainda mais este cenário, casos de gripe aviária já estão sendo relatados no país asiático. Os 3 surtos que incidem na China, quase que simultaneamente, influenciam o comportamento do consumidor, o que deve colocar a proteína brasileira em uma situação de maior destaque. Políticas chinesas em favor da segurança alimentar, associadas à busca do consumidor por fontes de proteínas mais confiáveis, poderão incentivar as exportações do Brasil.

Isto já vinha sendo observado com o estreitamento de laços do gigante asiático com frigoríficos brasileiros exportadores de carnes, os quais se movimentam para aumentar o número de unidades habilitadas a atender a demanda chinesa.

Ainda assim, é importante ressaltar que, com a incidência do coronavírus, a China tem importado proteínas do Brasil em uma menor escala neste primeiro momento. Apesar das manchetes apontarem para uma suspensão em novas compras chinesas, o que contribuiu com o movimento baixista para o setor brasileiro exportador de carnes nesta sexta-feira (7), alguns pontos precisam ser ponderados.

O movimento de baixa, como já muito comentado, era esperado. A China recompôs os seus estoques de carne bovina no final do ano passado, o que dá margem para o gigante asiático reduzir suas compras agora, e competitividade da proteína animal brasileira no âmbito internacional. Em síntese, apesar do recuo pontual da demanda chinesa, a expectativa é de um avanço acelerado no médio prazo.

De qualquer forma, a atenção ainda se volta à evolução do coronavírus, bem como às descobertas em torno da sua forma de transmissão. Vale dizer que o quadro atual ainda deve oscilar, principalmente, se constatada uma relação da contração do vírus com hábitos alimentares, o que poderia mudar a dinâmica do consumo de proteínas e aumentar a busca por carnes de origens mais seguras, em destaque a brasileira, que é conhecida mundialmente pelo seu bom manejo sanitário.

Figura 3. Exportações de carne de frango brasileira para a China (mil toneladas)

Fonte: ComexStat. Elaboração: INTL FCStone.

 

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente

Relatórios periódicos aprofundados

Produzimos mais de 300 relatórios mensais de acompanhamento dos principais mercados globais de commodities. Veja alguns exemplos:

Para quais mercados você deseja receber notificações?*

Açúcar & EtanolAlgodãoCacauCâmbioEnergiaFertilizantesMilhoSojaTrigoPecuáriaCafé

Como ficou sabendo de nós?*

FacebookLinkedInWhatsAppIndicaçãoGoogleOutrosNewsletter

*Campos obrigatórios