Gabriela Fontanari

Gabriela Fontanari

Graduada em Relações Internacionais pela FACAMP, está concluindo sua bidiplomação em Economia pela mesma instituição. Integra o time da Inteligência de Mercado da INTL FCStone do Brasil desde 2017 nos mercados de Fertilizantes, Algodão e Pecuária.

Com finalização da colheita, produção do Mato Grosso do Sul deve avançar 16%

Produtividade média elevada corrobora para otimismo dentre cotonicultores

O mês de setembro marca o encerramento da colheita da safra 2017/18 de algodão nos principais estados produtores. No Mato Grosso do Sul, cerca de 86,4% dos 30.450 hectares plantados haviam sido colhidos até a última semana de agosto. A colheita deve concluir com a finalização da colheita das regiões Norte e Nordeste, na primeira quinzena de setembro, enquanto as propriedades da região Centro-Sul retiram as soqueiras das plantações para o período de vazio sanitário.

Os municípios das regiões Norte e Nordeste, responsáveis por cerca de 93,3% da área plantada no MS em 2017/18, concluíram 85,4% de sua colheita, aproximadamente. De acordo com a Associação Sul-Mato-Grossense dos Produtores de Algodão (Ampasul), os agricultores devem finalizar a colheita até 15 de setembro, data que marca o início do período de vazio sanitário da região, que deve se estender até 30 de novembro. A retirada da soqueira e a limpeza dos campos visa auxiliar no combate do bicudo-do-algodoeiro, praga recorrente nas safras de algodão do estado.

Devido à janela de plantio e ao calendário de safra mais adiantados, a região Centro-Sul concluiu sua colheita no início do mês de agosto. Os produtores locais atualmente realizam a retirada química das soqueiras, e colocam armadilhas para o manejo pré-safra do bicudo, aproveitando-se da janela de vazio sanitário que dura até 15 de outubro.

A despeito da maior incidência da praga em algumas regiões do estado, a Associação afirmou que a falta de chuvas durante o mês de abril e as variações mais bruscas nas temperaturas durante as etapas de desenvolvimento reprodutivo dos algodoeiros foram os principais fatores que influenciaram a produtividade da safra. Contudo, os rendimentos das lavouras têm se apresentado acima das expectativas.

Os rendimentos atualmente registrados para a 1ª safra são de 1.913 kg de pluma por hectare, enquanto a safrinha apresenta uma produtividade de 1.462,5 kg/ha. De tal forma, os rendimentos médios do MS são de 1.872,6 kg/ha, equivalente a um avanço de 5% perante os 1.784 kg/ha observados na safra 2016/17.

De tal forma, caso mantidos os atuais níveis de produtividade, a produção do estado deve totalizar 57,02 mil toneladas de algodão em pluma. Caso confirmado, representaria um avanço de 16% frente ao ano-safra imediatamente anterior, corroborando para o sentimento otimista entre cotonicultores, que, de acordo com a Ampasul, já pretendem expandir a área plantada em 2018/19, com a entrada de novos produtores no estado.

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente

Relatórios periódicos aprofundados

Produzimos mais de 300 relatórios mensais de acompanhamento dos principais mercados globais de commodities. Veja alguns exemplos:

Para quais mercados você deseja receber notificações?*

Açúcar & EtanolAlgodãoCacauCâmbioEnergiaFertilizantesMilhoSojaTrigoPecuáriaCafé

Como ficou sabendo de nós?*

FacebookLinkedInWhatsAppIndicaçãoGoogleOutrosNewsletter

*Campos obrigatórios