Área plantada de algodão deve avançar 20% no ciclo 2017/18, projeta INTL FCStone

Com a conclusão da colheita da safra 2016/17 de algodão nos principais estados produtores, cotonicultores podem respirar mais aliviados com os resultados que têm sido verificados. Recuperados de um ciclo [2015/16] desfavorecido pelo clima, e mesmo após uma redução de 1,7% na área plantada em 2016/17, os rendimentos médios constatados devem ser os maiores já observados pela cotonicultura brasileira, segundo a Conab – uma média de 1.629 kg de pluma por hectare.

“Após os resultados do ciclo 2015/16 terem sido afetados pelo clima seco, em função do fenômeno meteorológico El Niño, o ano-safra atual [2016/17] apresentou evolução significativa da produtividade dos algodoais”, explicou a consultoria INTL FCStone, em relatório.

O desempenho recorde das lavouras contribuiu para um aumento de 22% na produção brasileira de algodão em 2016/17, estimada pelo grupo em 1.567,9 mil toneladas. Já para o ano-safra 2017/18, a INTL FCStone aposta que a área cultivada cresça 20%, atingindo 1.129,1 mil hectares – o que representaria a maior extensão desde a temporada de 2011/12.

Levando em consideração as expectativas da Associação Mato-Grossense dos Produtores de Algodão (Ampa), a INTL FCStone espera que o Mato Grosso aumente em 15% a extensão plantada com algodão, passando para 720,5 mil hectares. O mesmo aumento deve ser verificado no Mato Grosso do Sul, influenciado positivamente pelos rendimentos observados no ciclo que se encerra, que permitiu clima benéfico ao estado.

Já em relação ao Nordeste, segunda principal região produtora da pluma no Brasil, a Associação Baiana dos Produtores de Algodão (ABAPA) prevê um incremento de 30% de áreas dedicadas à produção de algodão, caso se mantenham condições hídricas e ambiente favorável de preços para o cultivo e comercialização da fibra.

Após se expandir em 2016/17, a área plantada do Maranhão deve manter-se estável no próximo ciclo. “A boa qualidade da fibra e a rentabilidade da cotonicultura maranhense, devem, no entanto, contribuir para o avanço da cultura sobre a área de milho na safrinha”, destaca a consultoria. Segundo a Associação Maranhense dos Produtores de Algodão (AMAPA), a projeção é de que a participação da área de algodão da segunda safra cresça de 16% para 37% do total, ganhando maior importância na rotação de culturas no sul maranhense ao avançar sobre a safrinha do milho.

Para o Sudeste, destaca-se que a expectativa da Associação Mineira dos Produtores de Algodão (AMIPA) é de que ocorra uma expansão de área de 35% em 2017/18, impulsionados pela melhora nos rendimentos médios das lavouras do estado para 3.975 kg de algodão em caroço por hectare na temporada atual.

Do mesmo modo, a Associação Paulista dos Produtores de Algodão (APPA), sinaliza a disposição dos produtores em expandir a área plantada de São Paulo. “A boa qualidade da fibra paulista, com uma produtividade média de 3.900 kg/ha de algodão em caroço, deverá manter o otimismo dos cotonicultores locais e contribuir para um aumento de até 7,5 mil hectares na extensão cultivada com algodão no estado”, relataram.

Fonte: Conab; Ampa; Ampasul; Agopa; Abapa; Amapa; Apipa; Amipa; Appa; Imea; INTL FCStone. Elaboração: INTL FCStone. (*) Dados da Conab referentes à 2016/17.

Atualização: Em linha com os números da INTL FCStone, a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) apresentou, na última quarta-feira (27/09), na Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Algodão e Derivados, sua estimativa para a área plantada com algodão no Brasil na safra 2017/2018, que será 20,3% maior que no ciclo anterior; o que corresponde a 1,1 milhão de hectares.

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente
Carrinho Item removido. Desfazer
  • Sem produtos no carrinho.