Matheus Costa

Matheus Costa

Formado em Engenharia Agronômica pela UFSCar. Trabalha na Inteligência de Mercado da INTL FCStone do Brasil desde 2017 na área de Açúcar e Etanol.

Produção de açúcar no Centro-Sul deve atingir 35,3 milhões de toneladas na safra 2016/17, afirma INTL FCStone

canaO clima no Centro-Sul vem sendo mais seco desde fevereiro, tanto em relação ao ano anterior como à média histórica para o período, condição que favoreceu o início precoce da moagem em muitas usinas. De acordo com avaliação da INTL FCStone, a perspectiva de precipitação próxima à média histórica para os próximos meses deve levar a moagem mais rápida em relação à safra passada, quando chuvas entre julho e setembro levaram algumas usinas a perderem mais de 30 dias de moagem durante os meses de pico da colheita.

Por outro lado, a falta de chuvas por afetar a produtividade agrícola dos canaviais em algumas importantes regiões. Para a consultoria, a moagem de cana no acumulado da safra 2016/17 no Centro-Sul do Brasil deve ficar em 619 milhões de toneladas, apenas 0,2% acima da safra 2015/16.
Cabe destacar também que o clima seco em boa parte do Centro-Sul vem apresentando efeito positivo sobre a concentração de açúcar na cana, que apresentou média de 117,4 Kg/t em abril, 7,4% acima da safra passada.

“Nos próximos meses, a tendência é que o Açúcar Total Recuperável (ATR) continue aumentando conforme a tendência sazonal desta variável. Além disso, a mudança na metodologia de divisão entre as safras ‘retirou’ da temporada 2016/17 o elevado volume de cana bisada processado no primeiro trimestre do ano e que apresentava ATR médio baixo”, explica o Analista de Mercado, João Paulo Botelho.

Esses fatores devem contribuir para a melhora na qualidade da matéria-prima em relação à safra passada, levando a INTL FCStone a aumentar a estimativa de ATR médio para 135,7 Kg/t, 4% acima de 2015/16.

Quanto aos produtos da cana, o diferencial entre a remuneração média oferecida pelo açúcar em comparação com o etanol disparou em março e já atinge 46%, o maior valor desde 2011. “Esta situação é resultado, principalmente, da recuperação do preço de exportação do açúcar devido à expectativa de déficit global e do câmbio desvalorizado, enquanto as cotações do etanol no mercado doméstico brasileiro vêm sofrendo com a redução na demanda por combustíveis graças à recessão na economia nacional”, analisa Botelho.

Com isso, grande parte das usinas vem aumentando ao máximo a produção de açúcar em detrimento do biocombustível, fato que fez a consultoria INTL FCStone elevar a estimativa de mix açucareiro para 44,1%, 3,5 pontos percentuais acima da safra passada. Este mix leva a uma produção de açúcar de 35,3 milhões de toneladas de açúcar, 13% a mais do que o realizado em 2015/16.
A produção de etanol de cana, por sua vez, deve ficar em 27,6 bilhões de litros, divididos em 17,3 bilhões de litros de hidratado – 1% a menos do que o produzido em 2015/16 – e 10,3 bilhões de litros de anidro, 3% abaixo da safra passada.

centro sul

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente

Relatórios periódicos aprofundados

Produzimos mais de 300 relatórios mensais de acompanhamento dos principais mercados globais de commodities. Veja alguns exemplos:

Para quais mercados você deseja receber notificações?*

Açúcar & EtanolAlgodãoCacauCâmbioEnergiaFertilizantesMilhoSojaTrigoPecuáriaCafé

Como ficou sabendo de nós?*

FacebookLinkedInWhatsAppIndicaçãoGoogleOutrosNewsletter

*Campos obrigatórios