Matheus Costa

Matheus Costa

Formado em Engenharia Agronômica pela UFSCar. Trabalha na Inteligência de Mercado da INTL FCStone do Brasil desde 2017 na área de Açúcar e Etanol.

Perspectivas para o diferencial Londres-NY são majoritariamente altistas

Impactos sobre mercado brasileiro devem ser diferentes para produtores e para consumidores

Ao longo dos últimos meses, o diferencial Londres-Nova Iorque manteve, em grande parte, trajetória de baixa. Desde o início de janeiro, o prêmio do branco – como é comumente conhecido – recuou 18,4% e atingiu US$ 53,69/t nesta sexta-feira (08). As perspectivas para os próximos meses, por outro lado, sugerem que este indicador pode ter comportamento majoritariamente altista, uma vez que o balanço global entre oferta e demanda do açúcar refinado tende a se estreitar.

A União Europeia desempenha papel importante neste contexto, uma vez que, por conta da menor produção em 2018/19 (out-set), as exportações de açúcar pelo bloco podem se manter menores nos próximos meses. No acumulado do ciclo atual até dezembro, as vendas de adoçante refinado a outros países totalizaram 617 mil toneladas, volume que representa retração de 39,0% ante a 2017/18.

Sob a ótica de médio e longo prazo, a área semeada com beterraba para a próxima safra pode sofrer nova redução, uma vez que outras culturas – como o trigo, por exemplo – têm proporcionado maior retorno econômico ante ao açúcar. Para análise mais aprofundada sobre o tema, clique aqui.

A Tailândia também deve ser determinante. Em meio às perspectivas de redução da produção de açúcar na safra 2018/19 no país, estimada em 14,0 milhões de toneladas (-7,0%) pela INTL FCStone, o açúcar branco deve registrar menor representatividade na fabricação total do produto. O acompanhamento de safra mais recente, referente ao acumulado até a terça-feira (05), mostrou que a variedade supracitada obteve participação de 21,4%, retração de 3,1 pontos percentuais no comparativo anual. Com isso, a exportação de branco pelos tailandeses deve ser mais afetada em relação ao equivalente bruto.

E como essas perspectivas se refletem no mercado brasileiro?

As perspectivas altistas para o prêmio do branco devem impactar o mercado doméstico brasileiro. Destaca-se, no entanto, que os efeitos serão diferentes para as duas pontas da cadeia do açúcar.

Para os produtores, a concretização do cenário discutido anteriormente pode proporcionar diversas oportunidades. Usualmente, o prêmio do branco é tido como importante parâmetro usado por refinarias para avaliar a margem de transformação do açúcar bruto em refinado. Isso significa que a demanda destas empresas por VHP pode crescer ao longo dos próximos meses em meio à alta do indicador supracitado.

Desta forma, é possível que usinas do Centro-Sul ampliem ainda mais as exportações de açúcar bruto para países com grande capacidade de refino. Neste sentido, é preciso lembrar que o Brasil expandiu os negócios com Argélia¹ e Arábia Saudita¹, por exemplo, cujas vendas totalizaram 2.293,9 mil toneladas (+3,6%) e 1.427,2 mil toneladas (2,2%) em 2018, respectivamente.

Ademais, produtores brasileiros podem encontrar ambiente favorável para aumentar a produção de Cristal ou refinado – especialmente em meio às perspectivas de crescimento do mix açucareiro de 2019/20 (abr-mar). Ou seja, parte significativa do aumento na produção pode ser dar com açúcar branco, não bruto.

Na safra que se encerra, por conta do maior foco na destilação de etanol, o mercado doméstico tem observado menor disponibilidade de açúcar – contexto que é corroborado pelos menores níveis dos estoques do adoçante. Com isso, o indicador do Cepea/Esalq para o Cristal 150, que tem mantido trajetória de alta, pode continuar se fortalecendo – o que sustenta, também, seu diferencial em relação ao açúcar #11. Na média preliminar de fevereiro, por exemplo, a margem entre os dois produtos atingiu US$ 97,8/t, valor que representa crescimento de US$ 62,7/t em relação ao mesmo período do ano anterior.

Para os consumidores, o contexto analisado ao longo desta matéria pode não ser tão positivo. O aumento das exportações brasileiras de açúcar bruto para polos de refino pode fazer com que o balanço interno de O&D permaneça relativamente estreito na próxima safra.

Ademais, espera-se que a possibilidade de maior produção de açúcar branco não proporcione alívio à disponibilidade doméstica. Isso porque o crescimento do prêmio do branco no mercado internacional tende a fortalecer o basis do Cristal 150 nos portos brasileiros, estimulando usinas a entregarem seu produto para exportação.

De forma geral, ambos cenários sugerem que os preços do açúcar praticados no mercado brasileiro tendem a se elevar, uma vez que, mesmo em meio ao possível crescimento da produção em 2019/20, os estoques podem se manter pressionados. Com isso, é possível que as empresas consumidoras observem alta nos custos de aquisição do adoçante.

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente

Relatórios periódicos aprofundados

Produzimos mais de 300 relatórios mensais de acompanhamento dos principais mercados globais de commodities. Veja alguns exemplos:

Para quais mercados você deseja receber notificações?*

Açúcar & EtanolAlgodãoCacauCâmbioEnergiaFertilizantesMilhoSojaTrigoPecuáriaCafé

Como ficou sabendo de nós?*

FacebookLinkedInWhatsAppIndicaçãoGoogleOutrosNewsletter

*Campos obrigatórios