Mais hidratado no Centro-Sul e quebra no Nordeste

Em sua revisão da estimativa brasileira da safra 2015/16 de cana-de-açúcar, a consultoria INTL FCStone apontou a seca como fator preocupante para a produtividade agrícola nordestina. Com o avanço da safra nos principais estados produtores, tornou-se mais claro que os impactos das baixas precipitações seriam sentidos sobre a moagem e a concentração de açúcares.

“Ao contrário de Alagoas e Paraíba, onde os efeitos da seca já estão mais claros, ainda restam dúvidas quanto à magnitude do impacto sobre os canaviais pernambucanos”, pondera o analista de açúcar e etanol da INTL FCStone, João Paulo Botelho. Ainda assim, a previsão da moagem foi reduzida para 53,5 milhões de toneladas, uma quebra de 12% em relação ao último ano. Em relatório, a consultoria ressalta que o volume de cana pode ser ainda menor, principalmente se a seca tiver efeitos piores do que o considerado em Pernambuco.

Em relação à produção de açúcar, a expectativa é que as usinas da região produzam 3,1 milhões de toneladas, queda de 13,6% em relação ao ciclo anterior. O mix produtivo foi mantido, com as usinas da região aumentando ligeiramente o foco no etanol em relação à última temporada, devido tanto ao aumento do preço do biocombustível como à redução na demanda interna por açúcar devido à recessão vivida pelo país.

Se por um lado a falta de chuvas ameaça a safra nordestina, no Centro-Sul as precipitações podem diminuir as perspectivas de moagem total. Nesta última localidade, a INTL FCStone manteve estável sua projeção de moagem, em 592,2 milhões de toneladas, número que pode ser maior caso o clima seja mais seco do que é esperado e, alternativamente, menor caso menos usinas consigam estender a safra até janeiro.

Quanto ao mix produtivo, a projeção aponta incremento para o hidratado, que deve alcançar 16,7 bilhões de litros, 8,4% acima do registrado na safra passada. Já o anidro ficaria em 10,1 bilhões de litros, queda de 6,3% em relação ao ciclo anterior. A mudança se deve à maior preferência das usinas do Centro-Sul pelo hidratado, variedade cuja demanda ficou ainda mais aquecida com o aumento do preço da gasolina pela Petrobras.

“A situação financeira crítica de muitas usinas também contribuiu neste sentido, aumentando a preferência pela variedade que oferece pagamento mais rápido”, lembra Botelho.  Além disso, o aumento dos juros do crédito para armazenamento de etanol pelo BNDES diminuiu os incentivos para a estocagem de anidro, mesmo com a perspectiva de oferta apertada do aditivo na entressafra.

 

Matéria escrita por João Paulo Botelho, colaborador INTL FCStone até outubro de 2019.

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

Veja também

Dólar em 2020 e o agronegócio

Em evento do Banco de Câmbio da INTL FCStone, o Coordenador de Inteligência de Mercado Vitor Andrioli comentou sobre as perspectivas para…

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente
Cart Item Removed. Undo
  • No products in the cart.