Matheus Costa

Matheus Costa

Formado em Engenharia Agronômica pela UFSCar. Trabalha na Inteligência de Mercado da INTL FCStone do Brasil desde 2017 na área de Açúcar e Etanol.

INTL FCStone reduz déficit global de açúcar para 7,5 mi t no ciclo 2016/17

A revisão da consultoria está 2,2 milhões de toneladas abaixo da projeção anterior

 

Sugar cubesO déficit de açúcar no mundo deve ser menos acentuado na safra 2016/17, segundo revisão da INTL FCStone. A consultoria estima que a carência deva ficar em 7,5 milhões de toneladas, 2,2 milhões de toneladas abaixo da projeção anterior.

Pelo lado da demanda global, o grupo reduziu sua estimativa em 0,3% para 185,6 milhões de toneladas na safra 2016/17, o que ainda representa um aumento de 1,6% na comparação com 2015/16. “Essa diminuição é resultado do impacto dos elevados preços internacionais do açúcar sobre a demanda pelo adoçante”, comenta o analista de mercado da INTL FCStone, João Paulo Botelho.

Apesar da baixa elasticidade da procura, as cotações do produto tendem a impactar a demanda pelo menos marginalmente, o que ocorre principalmente através da substituição por outros adoçantes, como o xarope de milho e adoçantes de alta intensidade (dietéticos).

Já em relação à oferta, a consultoria fechou em 178,08 milhões de toneladas sua projeção global, o que configura aumento de 2,4% em relação à safra 2015/16; número puxado principalmente pelo incremento na produção brasileira, para 38,9 milhões de toneladas, e da América Central, 5,7 milhões de toneladas. Estas expectativas produtivas representam avanço de 24,7% e 12,4%, respectivamente, em relação ao ciclo anterior.

Na América Central, o avanço se deve a aumentos esperados tanto na área plantada como na produtividade dos principais países produtores. No Brasil, destaca-se a rápida reação das usinas à elevação do preço do adoçante nos mercados doméstico e internacional. “Dessa forma, o incremento na produção de açúcar deve se dar à custa do etanol, cujas cotações vêm sendo pressionadas no Brasil pela redução no preço da gasolina”, explica Botelho.

Na Ásia, o país onde a safra apresenta cenário mais negativo é a Índia, que sofreu com monções fracas no ano passado, levando à redução na área plantada e forte aumento na participação de cana-soca. A maior parte da redução na safra indiana, entretanto, foi compensada por aumento da produção estimada para o Paquistão em pouco mais de 400 mil toneladas, para 5,5 milhões de toneladas (valor branco), o que representa um aumento de 8,2% em comparação com o ciclo anterior.

Para a China e Tailândia, foram mantidas as projeções da INTL FCStone para a temporada 2016/17. No primeiro, a expectativa é de que a redução na área plantada seja compensada pelo clima mais favorável em relação aos anos anteriores, levando a aumento de 10,7% na produção. Já na Tailândia, apesar de o clima favorável ao longo deste ano também ter prevalecido, a redução na área plantada devido às chuvas fracas em 2015 deve levar à diminuição na produção em 3,9%.

Ainda que o saldo seja menos negativo, os estoques globais devem cair para 64,5 milhões de toneladas, seu menor patamar desde 2011/12. Já a relação estoque/uso recuará para 34,7%, a menor desde a temporada 2010/11, quando o preço médio do açúcar na bolsa de Nova Iorque registrou mais de US¢28/lb.

saldo-global-intl-fcstone

Fonte: Assessoria de Imprensa INTL FCStone / Carolina.Barboza@intlfcstone.com

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente

Relatórios periódicos aprofundados

Produzimos mais de 300 relatórios mensais de acompanhamento dos principais mercados globais de commodities. Veja alguns exemplos:

Para quais mercados você deseja receber notificações?*

Açúcar & EtanolAlgodãoCacauCâmbioEnergiaFertilizantesMilhoSojaTrigoPecuáriaCafé

Como ficou sabendo de nós?*

FacebookLinkedInWhatsAppIndicaçãoGoogleOutrosNewsletter

*Campos obrigatórios