Centro-Sul deve processar menor volume de cana desde 2014/15

Nova revisão da consultoria INTL FCStone mostra redução na moagem de cana-de-açúcar em 3,8%, para 573,9 milhões de toneladas

 

O Centro-Sul brasileiro deve moer menos cana-de-açúcar do que o previsto inicialmente. De acordo com a revisão da INTL FCStone, a safra 2018/19 deve cair 3,8% em relação à temporada anterior, para 573,9 milhões de toneladas, o menor volume desde a safra 2014/15. O principal fator influenciando no desenvolvimento da cana e, consequentemente, na produtividade agrícola foi o clima mais seco.

“Entre os meses de fevereiro e junho, a precipitação sobre o cinturão canavieiro registrou 378 mm, 31,4% abaixo do ano passado e 33,4% abaixo da média histórica. Com as chuvas escassas, o nível de umidade no primeiro 1,6 metro de solo também caiu para 346,8 mm no mês de junho, 16,6% abaixo da média de 10 anos”, explica o analista de mercado do grupo, João Paulo Botelho, em relatório.

O indicador de saúde da vegetação, que usa imagens de satélite para analisar a situação das lavouras, também mostra declínio significativo nas condições das principais áreas canavieiras do Centro-Sul. Na média dos principais estados produtores, este índice registra 44,8, queda de 25,1% ante ao ano passado e 19,9% a menos do que a média dos últimos 10 anos.

+ Leia também: Mercado de açúcar deve registrar superávits globais consecutivos em 2017/18 e 2018/19

A INTL FCStone espera que a produtividade agrícola média da região Centro-Sul caia para 72,8 t/ha, uma redução de 4,2% em relação ao ciclo anterior, mas pondera quanto ao impacto do clima sobre a totalidade das regiões produtoras. Isso porque, assim como ocorreu em 2014, o estresse hídrico não está espalhado de maneira uniforme por toda a região canavieira do Centro-Sul.

“No estado de Minas Gerais, responsável por 11% da área esperada, as chuvas no acumulado do ano superam o mesmo período no ano passado”, avalia Botelho. Além disso, o índice de saúde vegetal do estado no começo de julho é maior que o registrado no ano passado, assim como ocorre em Goiás, responsável por 12% da área.

Além disso, a falta de chuvas tem efeito positivo a qualidade da matéria-prima, resultando em aumento do Açúcar Total Recuperável (ATR) médio, estimado pela INTL FCStone em 139,1 Kg/t – o maior nível desde 2010/11.

Em relação ao mix produtivo, a paridade entre os dois produtos da cana-de-açúcar continua favorecendo o etanol, mesmo em uma época do ano em que o açúcar normalmente remunera melhor em função da sazonalidade de preços do biocombustível. Na média das últimas quatro semanas, a produção de álcool combustível remunerou 4,0% melhor o produtor paulista do que o açúcar. Em estados mais distantes dos portos, como Minas Gerais e Goiás, a vantagem oferecida pelo biocombustível é ainda mais expressiva.

“Estimamos que as usinas do Centro-Sul destinarão 60,1% do mix produtivo para o biocombustível e apenas 39,9% para o açúcar. Esta seria a maior concentração da produção canavieira no etanol desde a safra 2008/09. A produção de açúcar, desta forma, cairia 15,8% na comparação com a safra passada, para 30,4 milhões de toneladas”, explica o analista João Paulo Botelho.

A produção de etanol baseado na cana-de-açúcar, por sua vez, deve crescer 10,3%, para 28,2 milhões de m³. O impacto sobre as duas principais variedades, entretanto, será distinto. A INTL FCStone projeta aumento de 23,0% na produção de hidratado, que deve atingir 18,8 milhões de m³, o maior volume da história. Já a produção de anidro deve cair em 8,4%, para 9,5 milhões de m³.

“O motivo para esta disparidade entre as duas variedades se deve à perspectiva de que o aumento da produção de hidratado reduza a participação da gasolina C na demanda por combustíveis do ciclo Otto no Brasil, e também ao cenário de queda na demanda por esta categoria de combustíveis”, resume Botelho.

 Etanol de milho

A INTL FCStone espera aumento na produção de etanol de milho para 1,14 milhão de m³, avanço de 119,4% em relação à safra passada, volume que deve ser dividido em 864 mil m³ de hidratado e 281 mil m³ de anidro.

O custo de aquisição do milho no Mato Grosso na média de abril a junho apresentou alta de 51,4% na comparação com o mesmo período no ano passado, quase o triplo da alta no preço do etanol no mesmo período. Com isso, o diferencial médio entre os dois produtos caiu de R$0,94/l em 2017 para R$0,82/L este ano.

“Este diferencial continua significativamente acima da média de R$0,32/L registrado no mesmo período em 2016, o último ano em que a safrinha quebrou. E mesmo com o diferencial baixo, a produção de etanol de milho na safra 2016/17 aumentou em 66% na comparação com o ciclo anterior”, lembra o analista de mercado da INTL FCStone, João Paulo Botelho.

Baixe as atualizações abaixo:

SALDO GLOBAL • AÇÚCAR

ESTIMATIVAS DE SAFRA • CANA-DE-AÇÚCAR

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente

Relatórios periódicos aprofundados

Produzimos mais de 300 relatórios mensais de acompanhamento dos principais mercados globais de commodities. Veja alguns exemplos:

Para quais mercados você deseja receber notificações?*

Açúcar & EtanolAlgodãoCacauCâmbioEnergiaFertilizantesMilhoSojaTrigoPecuáriaCafé

Como ficou sabendo de nós?*

FacebookLinkedInWhatsAppIndicaçãoGoogleOutrosNewsletter

*Campos obrigatórios