Matheus Costa

Matheus Costa

Formado em Engenharia Agronômica pela UFSCar. Trabalha na Inteligência de Mercado da INTL FCStone do Brasil desde 2017 na área de Açúcar e Etanol.

Após seca e geada, Centro-Sul deve processar 609,5 mi ton de cana na safra 2016/17

A maior parte das áreas canavieiras foi afetada por precipitação abaixo da média histórica ou geadas ao longo dos últimos meses

canaA defasagem das chuvas, combinada com geadas, canaviais envelhecidos e com o encurtamento da entressafra, vêm prejudicando a produtividade da cana-de-açúcar na maior parte das áreas produtoras do Centro-Sul brasileiro. Essa mudança de perspectiva levou a consultoria INTL FCStone a reduzir o volume de processamento calculado para 609,5 milhões de toneladas (contra os 619 milhões de toneladas estimados anteriormente, em maio), 1,3% abaixo da safra anterior.

“Apesar da diminuição no volume de cana processada em comparação com 2015/16, a moagem desta safra ainda seria a segunda maior já registrada no Centro-Sul, representando diferença de 8,3% acima da média das últimas cinco safras”, pondera o analista de mercado, João Paulo Botelho.
Além do efeito das condições climáticas sobre as expectativas de produtividade, o grupo adequou sua estimativa à quantidade do açúcar total recuperado (ATR) médio mais baixo registrado durante os primeiros meses de colheita. Estima-se um ATR médio de 134 Kg/t na safra, ainda assim 2,7% acima da temporada anterior. O ATR total deve alcançar 81,7 milhões de toneladas, 1,3% a mais do que o registrado em 2015/16.

No que diz respeito ao mix produtivo, foi mantida a estimativa de participação de 44,1% do açúcar, 3,5 pontos percentuais acima de 2015/16. A produção de anidro foi aumentada para 11 bilhões de litros, 3,6% a mais do que o registrado na safra 2015/16 e mais próxima da máxima registrada em 2013/14, enquanto a produção projetada de hidratado foi reduzida para 15,8 bilhões de litros, 9,7% abaixo da safra passada.

Para a produção total de açúcar do Centro-Sul, a INTL FCStone acredita que este ciclo deve registrar 34,3 milhões de toneladas, 10% acima da safra passada e marginalmente superior ao recorde estabelecido na safra 2013/14. “A maioria das empresas vem aumentando ao máximo a produção do adoçante para aproveitar os elevados preços oferecidos pela exportação deste em comparação com o etanol”, lembra o analista Botelho.

- - - cs

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente

Relatórios periódicos aprofundados

Produzimos mais de 300 relatórios mensais de acompanhamento dos principais mercados globais de commodities. Veja alguns exemplos:

Para quais mercados você deseja receber notificações?*

Açúcar & EtanolAlgodãoCacauCâmbioEnergiaFertilizantesMilhoSojaTrigoPecuáriaCafé

Como ficou sabendo de nós?*

FacebookLinkedInWhatsAppIndicaçãoGoogleOutrosNewsletter

*Campos obrigatórios