Mercado de Grãos
GRÃOS & OLEAGINOSAS
ENERGIA
AÇÚCAR & ETANOL
ALGODÃO
CAFÉ
CARNES & PECUÁRIA
FERTILIZANTES
MOEDAS
CACAU

Alto custo de combustíveis reduz o consumo do ciclo Otto em setembro

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Participação do hidratado nas vendas alcança máxima desde 2009

Dados da ANP publicados esta semana e referentes a setembro continuam mostrando que a paridade favorável está levando a demanda acelerada por etanol hidratado nos postos do país. As vendas da variedade pelas distribuidoras registrou 1,8 milhão de m³ no mês em questão, 37,0% acima no comparativo anual, e o maior volume já registrado para o período. A procura por gasolina, por outro lado, foi de 2,9 milhões de m³ (-17,0%), o menor volume desde 2010. O biocombustível registrou 30,4% de participação do total do ciclo Otto, a maior proporção desde outubro de 2009.

Contudo, o volume total registrado no ciclo Otto, de 4,2 milhões de m³, foi 6,0% inferior ao registrado no mesmo período de 2017. O menor interesse do mercado por combustíveis pode ser relacionado ao aumento dos preços nas bombas, para ambas as variedades. Nos postos em São Paulo, principal estado da produção sucroenergética e consumo de combustíveis, o preço médio do biocombustível em setembro foi de R$ 2,61/L, ganho de 6,5% ante o registrado em 2017, enquanto que sua contraparte fóssil foi de R$ 4,40/L (+21,5%), segundo dados da ANP.

A gasolina foi sustentada principalmente pelos ganhos registrados no mercado internacional de petróleo no comparativo anual, assim como pela depreciação do câmbio. A cotação do petróleo WTI, importante indicador da commodity, apresentou preço médio em setembro de US$ 70,08/bbl, 40,6% acima do mesmo mês me 2017, enquanto que o dólar apresentou média de R$ 4,11 (+30,9%). As usinas, de forma análoga, estavam negociando o etanol hidratado PVU a uma média de R$ 2,06/L (14,8%) para Ribeirão Preto/SP no mês.

O consumo para o mês de outubro deve continuar a ser afetado pelos preços elevados, tanto para o etanol, quanto para a gasolina. A média do WTI para outubro,  foi de US$ 70,67/bbl, 10,8% acima de 2017, e do câmbio, de R$ 3,77 (+17,8%), mantiveram o preço alto da gasolina, enquanto que a média do etanol hidratado na porta das usinas, a R$ 2,19/L (14,6%), sustentou o biocombustível. Consequentemente, os preços nas bombas mantiveram-se elevados, com a média de São Paulo em R$ 2,75/L (+10,7%) para o etanol e em R$ 4,50/L (+21,9%) para a gasolina.

Ademais, a proporção de participação do etanol hidratado no ciclo Otto também pode reduzir em outubro. Desde a segunda quinzena do mês, as cotações de petróleo assumiram trajetória baixista, com o WTI concluindo o mês em US$ 65,31/bbl, perda de 10,8% ante o final de setembro. O câmbio também reduziu a sustentação da gasolina, com forte apreciação do real em antecipação ao resultado das eleições presidenciais. Dessa forma o USDBRL concluiu outubro registrando R$ 3,723, 7,8% abaixo de setembro.

Mesmo que a queda da gasolina tenha levado a retração do etanol nas últimas semanas, no acumulado de outubro o preço do hidratado PVU na região de Ribeirão Preto subiu 1,0%, concluindo o mês a R$ 2,12/L. Desta forma, enquanto as bombas começaram a repassar as quedas do petróleo em seus derivados, o biocombustível continuou sustentado. Em São Paulo, dados referentes à semana do último dia 26 apresentam a gasolina estável, no comparativo semanal, em R$ 4,51/L, enquanto o etanol continuou sua trajetória altista, registrando R$ 2,81/L (+1,5%).

Dessa forma a paridade elevou-se a 62,4%, 2,4 pontos percentuais acima do registrado no começo de outubro, levando à possibilidade de que a participação do hidratado no ciclo Otto caia nos próximos meses em relação ao registrado em setembro. Apesar disso, a paridade continua 4,8 p.p. abaixo do mesmo período no ano passado, o que deve manter a demanda pelo biocombustível muito superior ao que foi registrado em 2017, mesmo com a queda na procura por combustíveis do ciclo Otto.

Matéria escrita por Felipe Almeida, colaborador INTL FCStone até fevereiro de 2019.

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente
Carrinho Item removido. Desfazer
  • Sem produtos no carrinho.