2016/17: Quebra na Índia deve levar a expansão do déficit global de açúcar

Consultoria INTL FCStone aumenta estimativa de saldo negativo em 13,5%, para 8,5 milhões de toneladas

A safra 2016/17 deve resultar em déficit global de açúcar mais acentuado, em 8,5 milhões de toneladas, puxado principalmente por impactos da Índia. A avaliação é da consultoria INTL FCStone, que em novembro havia estimado déficit em 7,8 milhões de toneladas. “O segundo maior produtor global de açúcar [Índia] vem sofrendo tanto com os efeitos das monções fracas em 2015 sobre a área plantada e a idade média dos canaviais, como com os impactos das chuvas abaixo da média este ano”, explicou a consultoria em relatório divulgado nesta sexta-feira (24).

Das 483 usinas que operaram nesta safra, 191 já haviam encerrado suas atividades até o final de janeiro, levando a produção na segunda metade daquele mês a ficar 41% abaixo do mesmo período na safra passada.

“Mesmo considerando a situação positiva dos canaviais no maior estado produtor, Uttar Pradesh, estimamos a produção total do país em 20 milhões de toneladas (valor branco), 20,3% abaixo da safra passada”, explica o analista de mercado, João Paulo Botelho. Esta queda seria puxada por Maharashtra e Karnataka (segundo e terceiro maiores produtores), que sofreram mais com as monções fracas e para os quais esperamos quebra de 46%.

O Brasil, principal produtor global de açúcar, também teve sua estimativa de produção revisada para baixo. No Nordeste, a safra vem sendo afetada por forte quebra agrícola, causada por chuvas abaixo do normal durante a entressafra e começo da colheita, levando a INTL FCStone a reduzir sua estimativa de produção para 3,2 milhões de toneladas (tel quel – a soma de açúcares brutos e refinados), o que ainda representa um aumento de 22% em relação a 2015/16 devido ao ATR relativamente melhor e, principalmente, ao forte aumento no mix açucareiro.

Balanço de oferta e demanda global de açúcar (milhões de toneladas)

Press Release #2 - 2

Fonte: INTL FCStone, USDA, OCSB e outros. Elaboração: INTL FCStone

A produção também foi reduzida na América Central, onde problemas na Guatemala devem diminuir a recuperação do grupo, cuja produção ainda deve subir em 7,3% em comparação com 2015/16, para 5,5 milhões de toneladas.

Outros países, entretanto, tiveram suas estimativas para a safra corrente aumentada, suavizando o impacto sobre o saldo. Neste sentido, vale destacar a Rússia, onde as plantações de beterraba apresentaram produtividade 23% superior ao ciclo anterior, o que, juntamente com o aumento de quase 10% na área colhida, levou a produção de açúcar a superar 6 milhões de toneladas (valor branco) pela primeira vez na história. Desta forma, o país, que já foi o maior importador de açúcar do mundo, deve ser um exportador líquido em 2016/17.

No que se refere à demanda global, a consultoria reduziu sua estimativa em 0,4%, para 184,9 milhões de toneladas, ainda assim 1,2% acima da safra anterior. A desaceleração no consumo do adoçante é resultado do maior nível de preços internacionais, que reduz o apetite dos compradores.

“Devemos destacar a Índia, o maior consumidor da commodity e também um dos países que apresenta demanda mais volátil devido, principalmente, à possibilidade de substituição do produto por alternativas mais baratas”, avalia o analista João Paulo Botelho.

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn

Veja também

Teste já!

Experimente nossa plataforma de relatórios gratuitamente

Relatórios periódicos aprofundados

Produzimos mais de 300 relatórios mensais de acompanhamento dos principais mercados globais de commodities. Veja alguns exemplos:

Para quais mercados você deseja receber notificações?*

Açúcar & EtanolAlgodãoCacauCâmbioEnergiaFertilizantesMilhoSojaTrigoPecuáriaCafé

Como ficou sabendo de nós?*

FacebookLinkedInWhatsAppIndicaçãoGoogleOutrosNewsletter

*Campos obrigatórios